Menu Fechar

Compartilhe via:

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

5 erros comuns ao contratar desenvolvedores

4 min de leitura
analista
Escritor

Contratar desenvolvedores de TI é sempre um desafio. Há muitas vagas abertas para profissionais dessa área e poucos com a formação completa.

Um estudo da Brasscom revela que, no Brasil, serão criados ao menos 797 mil postos de trabalho nessa área até 2025, porém apenas 267 mil profissionais serão formados nesse período. Uma conta que não fecha!

Soma-se a essa dificuldade, a caça de talentos internacionais desses profissionais. Após a pandemia, o que já era uma tendência se tornou realidade, empresas globais estão contratando pessoas que são experts em códigos para o trabalho remoto.

A oferta de empregos com salários em dólar se tornou atrativa para os desenvolvedores brasileiros que deixaram o mercado nacional ainda mais órfão desse tipo de especialista.  

O contexto revela que não há margem para erros na hora de contratar desenvolvedores. Se a sua equipe de Talent Acquisition quer atrair e reter os melhores, ela precisa ficar atenta às cinco armadilhas mais comuns na hora de recrutar e selecionar pessoas que programam códigos. Confira!

Vagas mal elaboradas

Com tantas vagas a serem preenchidas, é comum o recrutador apertar o botão do piloto automático. Resultado: a atitude acaba por comprometer o processo de R&S.

Em uma simples pesquisa em portais de emprego, podemos observar que a qualidade do anúncio da vaga é o primeiro ponto que fica prejudicado com o piloto automático. Veja o início da seguinte divulgação: 

“Seja Analista DevOps Sênior

 Inscreva-se: (link da vaga)  

Só serão aceitas candidaturas inscritas no link acima”

Sejamos sinceros, um profissional que tem, no mínimo, cinco propostas de trabalho mensais, acharia interessante uma vaga que começa burocratizando o processo? Não.

Aqui, a regra é já fisgar o profissional de desenvolvimento no primeiro momento. Portanto, a primeira coisa que o anúncio precisa responder é: porque o especialista em TI deve ingressar na sua organização e quais são os benefícios profissionais e pessoais que ele alcançará ao topar o seu desafio.

Fit cultural

Na correria do dia a dia, outro ponto que acaba sendo esquecido ou até eliminado do processo é o match de fit cultural entre candidato e empresa. Pode parecer besteira, mas na prática essa sintonia entre valores, visão e missão do profissional com a organização faz a diferença na entrega dos trabalhos e na retenção da pessoa especialista em programação. 

Desenvolvedores(as) abandonam o barco antes mesmo dos três meses de experiência se a empresa contratante não tem processos bem definidos, solicita prazos irreais de entrega e não cumpre com os critérios anunciados na contratação.

Além do mais, eles também ajudarão a comunidade de TI, fazendo reviews negativos de sua organização em sites como Glassdoor.

Portanto, se a empresa ainda não tem processos bem definidos ou trabalha com uma cultura forte de resultados, é preciso que isso fique claro durante o processo seletivo. Não adianta colocar alguns pontos da organização debaixo do tapete.

Além do mais, profissionais experientes saberão fazer as perguntas certas na hora da entrevista com o recrutador para desvendar a real cultura da organização.

Não investir em tech recruiters

Contratar um talento de tecnologia sem ter nenhum conhecimento em TI é um dos erros mais comuns que as empresas cometem.

Nesse sentido, o ideal é a empresa ter um recrutador especializado na contratação de profissionais de TI, conhecido como tech recruiter. 

Em geral, esses profissionais do RH estudaram, ao menos, o básico da programação e já têm alguns anos de experiência na contratação de especialistas de tecnologia da informação, o que lhes confere uma vantagem competitiva na guerra por talentos.

Não desperdice o tempo e os recursos da sua equipe de recrutadores e do programador cometendo esse erro. Antes de contratar desenvolvedores, certifique-se de que conhece e compreende o papel que ele irá desempenhar no seu negócio, bem como o que você espera que ele faça.

Ignorar as soft skills dos candidatos

O trabalho de uma pessoa especialista em programação é técnico e ela provavelmente será um lobo solitário durante o processo de suas entregas. Pensar dessa maneira também é um erro comum no recrutamento de especialistas da área de TI.

Essa visão deturpada da realidade faz com que o recrutador observe apenas as habilidades técnicas do programador, deixando de lado sua capacidade emocional e suas soft skills.

Grandes programadores têm mais do que fortes habilidades de codificar. Muitos deles são jogadores de equipe virtuais e autodidatas e aprenderam a programar na raça.

Existem características que separam um grande programador dos demais. Durante as entrevistas, procure características como respeito por prazos, curiosidade, paixão por codificar e ótimas habilidades de tomada de decisão.

Não investir na experiência do candidato 

A falta de empatia do recrutador na hora de desenhar o processo seletivo é um ponto muito comum não só no recrutamento de talentos de Ti, mas no processo seletivo de outras áreas também.

É só digitar #experienciadocandidato nas redes sociais que uma enxurrada de reclamações invadirá a sua tela.

De anúncios ruins a etapas burocráticas e demoradas, passando por robotização das respostas, os protestos de candidatos são válidos para que as empresas otimizem a experiência do candidato. Mas poucas fazem isso na prática. Saia na frente dos concorrentes!  

Se uma expert em TI perceber que o processo de contratação de sua organização levará tempo, provavelmente, ele sequer vai se inscrever nele.

Então, empregue esforços numa experiência de excelência com o seu candidato, tente otimizar as etapas do processo e dar feedback personalizados para os candidatos que não seguiram adiante no recrutamento.

Além de seguir o manual do que não fazer na hora de contratar desenvolvedores, também recomendamos que a organização invista na marca empregadora. Candidatos, especialmente da área de tecnologia da informação, querem saber como a organização se posiciona com relação às questões sociais e ambientais atuais, bem como elas cuidam de seus colaboradores.  

O artigo te ajudou a compreender um pouco as particularidades do processo seletivo de especialistas em programação? Se você quer saber mais sobre os desafios de atrair e reter profissionais da área de TI, não deixe de conferir o nosso e-book especial sobre o tema.

Imagem de um e-book chamado "Building Strong Tech Teams" para você baixar e aprender como contratar desenvolvedores

Compartilhe esse artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Os melhores artigos de Tecnologia e RH

Assine e receba nosso conteúdo semanal em sua caixa de entrada.